Especial Mês das Mães

21/05/2019 - Notícias

Especial Mês das Mães

Aos 17 anos sofri um grave acidente de carro, onde tive que colocar platina no fêmur e quadril,  com 19 engravidei a primeira vez e o médico alertou que não seria muito fácil a gestação, já que o peso da barriga e o alargamento do quadril iria me trazer dores fortes e que não poderia ter parto normal.

Aos 28 novamente engravidei e o médico pirou! Disse que meu corpo não era mais o mesmo, que seria difícil e tudo mais...novamente passei com muita saúde até o final da gestação.

Aí fomos o trio fantástico! Eu e meus filhos! Matamos muito leões por dia.

Sete anos depois conheci meu atual marido que não tinha filhos e eu sabia dessa vontade dele e dos meus sogros, porém sabíamos que não era possível. Além do problema do meu quadril, tenho endometriose que faz que a mulher tenha muita dificuldade para ter filhos e ainda tinha o agravante de ter 40 anos. Já havíamos pensando em adotar um filho.

Então foi em um dia que falei que não estava muito bem-disposta, ele olhou pra mim e disse: Você está grávida! Falei você tá louco! Impossível!

Pois o impossível se tornou muito possível e me vi chorando muito no consultório médico! Eu já tinha cirurgia marcada para retirada do útero e ovários! Com assim grávida? Eu não queria, não podia e não planejava por isso! Aí veio mais um desafio, tenho trombofilia (alteração genética que faz com que a pessoa tenha predisposição para desenvolver tromboses). Minha gravidez era de grande risco e passamos por 3 médicos que não quiseram assumir o caso. Durante o tempo todo de gestação eu e minha bebê (sim era uma menina que sempre foi o meu sonho) corríamos riscos. Todos os dias tomei clexane que é uma injeção que ajudava prevenir a doença. Eu mesmo aplicava em mim. Gastamos o que não tínhamos com remédios e exames. Aos 7 meses ficava mais tempo deitava do que tudo pois meu quadril doía muito.

Mas nossa princesa chegou! Saudável, cheia de vida e garra e eu descobri como é ser maravilhoso ser mãe em qualquer idade.

Nunca esqueço da médica que me falou: Tati, você acredita em milagres? Você entrou pra estatísticas, pois menos de 10% de mulheres como você conseguem engravidar com todos esses agravantes. E eu consegui não somente 1, mas 3 filhos maravilhosos!

Tatiana Krawulski