ENTIDADES HOSPITALARES PARTICIPAM DE AUDIÊNCIA PÚBLICA NO SUL SOBRE A DEFASAGEM DA TABELA DO SUS

27/11/2019 - Notícias

ENTIDADES HOSPITALARES PARTICIPAM DE AUDIÊNCIA PÚBLICA NO SUL SOBRE A DEFASAGEM DA TABELA DO SUS

A Tabela do Sistema Único de Saúde, congelada há mais de 20 anos, foi tema de uma audiência pública realizada pela Câmara de Vereadores de Criciúma, através da proposição do vereador, Arleu da Silveira. O evento aconteceu na quinta-feira, 27 de novembro na prefeitura de Criciúma. As entidades hospitalares AHESC-FEHOESC-FEHOSC, estiveram representadas por gestores hospitalares de várias regiões do estado, além dos presidentes da Associação de Hospitais de SC e vice-presidente da FBH, Altamiro Bittencourt e da Federação dos Hospitais de Santa Catarina, Giovani Nascimento. Participaram também dos debates o prefeito de Criciúma Clésio Salvaro, o secretário de Saúde do município Acélio Casagrande, além do deputado estadual, José Milton Scheffer que é  presidente da Frente Parlamentar em Defesa da Saúde Catarinense.

O vereador Arleu da Silveira, destacou em seu pronunciamento a importância do debate de um tema tão importante e que é a principal referência financeira para os serviços públicos e qual o impacto da falta do reajuste junto às instituições. O prefeito também falou sobre os esforços das prefeituras em investir bem acima do que a lei determina, como forma de contribuir com a defasagem do financiamento SUS.

O presidente da AHESC, Altamiro Bittencourt foi o responsável por falar em nome das entidades, durante sua apresentação demonstrou a importância do setor na geração de empregos além de impostos gerados, mas em contra-partida apresentou números da defasagem da Tabela como por exemplo num atendimento de AVC, os hospitais recebem apenas 28% do custo do procedimento, em casos de apendicite 27%, em partos 73%.  Repasses que não cobrem os custos, trazendo grandes prejuízos para as instituições. O presidente da AHESC acredita que "só através de iniciativas como esta, de debater o tema com entes públicos e com a sociedade, será possível sensibilizar os governantes para que seja mudada esta realidade dura enfrentada todos os dias nos hospitais na missão de salvar vidas".