Cirurgia inédita para a retirada de um câncer de pulmão é realizada em Jaraguá do Sul

18/09/2019 - Notícias

Cirurgia inédita para a retirada de um câncer de pulmão é realizada em Jaraguá do Sul

Um procedimento médico inédito para a retirada de um câncer de pulmão foi realizado recentemente no Hospital São José, em Jaraguá do Sul. A cirurgia ocorreu em uma paciente de 67 anos e foi a primeira registrada em Santa Catarina.

De acordo com o cirurgião torácico responsável pelo procedimento, Giovani Mezzalira, a técnica denominada crioterapia, é realizada a partir de uma endoscopia respiratória chamada de broncoscopia intervencionista.

O método permite obter amostras do tecido de forma menos invasiva, ou seja, sem a necessidade de abrir o tórax. "O tumor foi retirado com uma boa margem de segurança devido à retirada maior de tecido preservando a estrutura quando comparamos com técnicas que usam o calor", explica.

Segundo Mezzalira, o procedimento, realizado em agosto, é usado também para diagnosticar doenças pulmonares intersticiais, evitando muitas vezes uma cirurgia pulmonar.


A técnica é realizada através de uma sonda que passa por dentro do endoscópio, permitindo o congelamento imediato do tecido pulmonar que se pretende retirar. A anestesia é a mesma de uma endoscopia padrão, evitando assim a anestesia geral.

“É um método de congelamento onde as lesões são ressecadas e, com isso, os fragmentos saem inteiros”, explica.

Recuperação imediata

Pacientes considerados de risco devem usar as técnicas endoscópicas quando bem indicadas, evitando assim, maiores complicações no momento cirúrgico.

De acordo com Giovani, a paciente que passou pelo procedimento era vulnerável devido à idade e a possibilidade de uma retirada de um dos pulmões era um grande risco.

“Com a endoscopia, foi realizado a limpeza de toda a tubulação brônquica do pulmão onde o tumor obstruía, impedindo a passagem do ar para o resto do tecido e o resultado foi muito satisfatório”, pondera.

Apesar de o tratamento ser eficaz, Giovani esclarece que, durante a cirurgia, podem ocorrer complicações nas vias aéreas e no local onde foi realizado a biópsia.”O sangramento é o pior risco, pois quando você congela um tecido e o retira congelado a base fica sem proteção”, explica.

Por ser menos invasiva, a cirurgia endoscópica se destaca pela recuperação mais rápida se comparado com os a cirurgia pulmonar clássica.

De acordo com Mezzalira, a paciente recebeu alta médica duas horas após o tratamento e continuou com a recuperação em casa.

No Brasil, o método para o tratamento broncoscópico chegou recentemente, sendo aplicada em hospitais de São Paulo, Rio de Janeiro, Bahia, Rio Grande do Sul e Minas Gerais.


Fonte: OCPNews