Transplante de Orgãos - Patricia Ceruti

19/09/2018 - Notícias

Transplante de Orgãos - Patricia Ceruti

"Meu filho, João, foi diagnosticado logo pequeninho com atresia das vias biliares. Ele fez uma cirurgia para atrasar o procedimento de transplante, mas com 7 anos de idade ele teve que encarar a realidade que não foi fácil pra ninguém: ele precisava de um fígado novo para viver melhor.

Até então a gente tinha o acompanhamento constante de uma médica em Curitiba, mas com essa mudança de quadro ela nos encaminhou para especialistas que estavam em São Paulo. Inclusive o João ficou bem feliz de ir pra São Paulo porque foi a primeira vez que ele viajou de avião.

Em um primeiro momento todos achavam que o pai dele seria o doador. Isso acabou mudando, pois ele é hipertenso. Na hora eu me coloquei à disposição. Não pensei duas vezes. Fiz todos os exames e, graças a Deus, acabou dando tudo certo para que eu pudesse ajudar o meu filho.

Depois disso nos explicaram toda a parte burocrática e como seria o procedimento. A equipe foi muito atenciosa: nos recebeu muito bem, fez vários exames e nos deu total acompanhamento psicológico. Inclusive a psicóloga me disse que o tempo de recuperação seria grande e que eu precisava me ocupar com algo que não tivesse um esforço físico. Foi aí que eu resolvi escrever um livro sobre todo esse processo ao lado do meu filho. Nascia ali "A Marca do Renascimento". Um relato que fiz em homenagem ao meu filho.

Em mais ou menos 4 meses, nós finalmente pudemos realizar o transplante. Eu fiquei muito feliz em poder ajudá-lo. Saber que ele teria uma vida melhor, que ele passaria menos tempo em hospitais e que ele poderia fazer coisas que antes não podia, como andar de bicicleta, me deu força extra para encarar a sala de cirurgia e dar pra ele uma parte de mim."